♦ Vila Naiá reabre em setembro

Hotel assume personalidade de “primeiro Glamping do Brasil” com a reabertura no mês que vem

Texto: Promonde Travel + Food Marketing

Não se sabe ao certo a origem da expressão “art de vivre” – em tradução livre, arte de viver. Ninguém duvidaria, no entanto, se surgisse uma lenda que atribui sua criação a um francês encantado com Corumbau (longe de tudo na língua dos índios Pataxó), no Sul da Bahia.

E foi lá que os portugueses se apaixonaram pelo Brasil em 1500, com seu mar límpido e calmo, onde se avistam baleias, com a luz única do paralelo 17 e cores que fariam William Turner pintar sem parar.

Antes da categoria glamping (glamour + camping) se tornar tendência de hospedagem internacional, antes mesmo dela ter sido inventada para designar meios de hospedagens luxuosos e autênticos, isolados no mundo e em comunhão com a natureza exuberante, a  empreendedora Renata Mellão chegava em Corumbau e construía seu Vila Naiá, com 4 suítes e 4 casas distribuídos em uma área de 50 mil m2 que reproduzem o encanto e o charme da vila local e valorizam as tradições da região, sem deixar de lado o requinte nos serviços, o sofisticado design de interiores e a excelência gastronômica.

No empreendimento eleito pelo Condé Nast Traveller UK como um dos melhores hotéis de praia do mundo, o charme baiano se encontra com tradições indígenas e vivências únicas. Nadar com planctons, jantar à luz do luar à beira mar, rituais de purificação da tribo Pataxó, avistamento de baleias e de estrelas cadentes, caminhadas até Caravíva ou pela mata tombada do próprio empreendimento (RPPN – Reserva Privada do Patrimônio Natural), mergulho com corais, passeios de canoa e caiaque pelo rio são algumas das experiências transformadoras à espera dos hóspedes do Vila Naiá.

Lá tudo é feito à mão e em fina sintonia com o meio ambiente, homenagem do arquiteto Renato Marquez e da idealizadora Renata Mellão não apenas à cultura de Corumbau, mas também aos artesãos de todos os lugares e épocas. As acomodações, um encontro particular entre luxo, originalidade e simplicidade, foram desenhadas para serem semelhantes à moradias dos pescadores, construídas com madeira redescoberta e cobertas com taubilhas produzidas de forma tradicional, além de janelas em pontos cardeais opostos para dar passagem à brisa que sopra do mar.

Longas passarelas de madeira que acompanham a ondulação da areia interligam os ambientes do espaço e o jardim naturalmente impactante, com solo todo desenhado por folhas secas e areia branca, além, claro, da vegetação nativa que reverencia a beleza da natureza própria do lugar.

A cozinha é resultado da contribuição de diversos chefes da alta gastronomia brasileira, entre eles Maria Alice Solimene, Rafael Rosa e Erick Zelazowski. Privilegia ingredientes da horta 100% orgânica do hotel, alimentos da estação, peixes e frutos do mar fornecidos pelos pescadores da Reserva Extrativista Marinha de Corumbau, e oferece pâtisserie produzida no local.

Vila Naiá_sustentabilidade

Sustentabilidade

Desde a sua criação, o Vila Naiá tem se pautado pela permanente utilização de práticas sustentáveis. O hotel possui um Centro de Educação Ambiental, integrado por um espaço dedicado a atividades com alunos e visitantes, um viveiro de mudas com espécies nativas e uma trilha ecológica, que possibilitam trabalhos com escolas da região.

Mais do que evitar impactos, o Vila Naiá contribuiu para a ampliação das Unidades de Conservação de Fauna e Flora da região, com a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Fazenda Carroula, área privilegiada entre os parques nacionais do Descobrimento e Monte Pascoal, e tem sua orla marítima abrangida pela Reserva Extrativista Sustentável do Corumbau, destinada a proteger os meios de subsistência das comunidades costeiras locais. Sua intenção é reproduzir o ambiente de vila local de modo autêntico. Foram 12 anos de observação e interação com o local para que, hoje, o Vila Naiá proporcione uma experiência única a seus hóspedes.

Em 2007, o hotel iniciou o programa de compras verdes, priorizando a aquisição de produtos ambientalmente amigáveis, preservando a saúde de hóspedes, colaboradores e o meio ambiente. Além disso, o Vila Naiá se utiliza de fontes renováveis de energia, como a solar fotovoltaica e aquecimento de água com coletores solares e tem, ainda, um programa de gerenciamento de resíduos sólidos e tratamento de esgotos. Desta forma, evita que seus efluentes sejam lançados “in natura” nos rios ou no mar. Com o objetivo de aprimorar seus processos de gestão ambiental, o Vila Naiá iniciou a implantação de um Sistema de Gestão Ambiental baseado na norma ISO 14001:2004, tornando-se uma das primeiras organizações do setor a obter tal certificação.

Biossegurança

O empreendimento estava fechado desde abril, por conta do COVID-19, e volta a receber hóspedes reduzindo sua ocupação para 70% da capacidade total. Tal medida, que respeita as normas estabelecidas pelas autoridades sanitárias estaduais e municipais, faz parte de um conjunto de protocolos que garante a segurança de clientes, colaboradores e a comunidade local. No momento da reserva os hóspedes receberão uma carta com todas as medidas de segurança adotadas e os procedimentos que deverão ser respeitados durante a estada.

Uma série de modificações foram implantadas na estrutura do hotel, assim como a compra de EPIs para as equipes e novos métodos de higienização. Além da limpeza dos apartamentos e casas em duas fases, haverá um prazo de 72h entre a saída de um hóspede e chegada de outro.

As tendas nas praias obedecerão ao distanciamento social estipulado pelas normas de saúde e sempre serão as mesmas para cada suíte. Ainda que o restaurante tenha uma extensa área externa, será implantado o sistema de reservas nas refeições. Para garantir a segurança dos hóspedes e maior comodidade, o hotel volta a trabalhar com o conceito de pensão completa, ou seja, todas as refeições, exceto bebidas, estarão inclusas na diária.

“O Vila Naiá é uma excelente opção para quem busca segurança, sofisticação e isolamento. Em uma área de 50.000 m² atenderemos no máximo 14 pessoas ao mesmo tempo. Não existe melhor definição de exclusividade. A arquitetura, o design de interiores e os nossos serviços estão integrados perfeitamente à natureza, garantindo a sensação de liberdade e a descompressão dos nossos clientes. Trata-se de um hotel feito à mão, em todos os sentidos. Tudo é artesanal, sem perder a excelência” explica a proprietária Renata Mellão.

As reservas podem ser feitas através do site www.vilanaia.com.br ou com as agências de viagens.

Publicado por

Paulo Mancha

Jornalista especializado em turismo, foi editor chefe da Revista Viajar pelo Mundo e repórter das revistas Terra e Próxima Viagem. Desde 2003, fez mais de 40 reportagens internacionais e, em 2012 e 2014, foi agraciado com o Prêmio de Melhor Reportagem da Comissão Europeia de Turismo. Comentarista esportivo do canal ESPN, Paulo decidiu unir neste blog as duas paixões: viagens e esportes.